Brasil Digital

Como nos preparar para o futuro

A digitalização é tema central de políticas públicas nas principais economias do mundo. Por um lado, garante produtividade às empresas, competitividade internacional e serviços de qualidade aos cidadãos. Por outro, impõe desafios em áreas como educação, trabalho, sustentabilidade e políticas sociais.

02

cenário

O Brasil está longe da 4ª Revolução Industrial

O Relatório de Competitividade Digital, divulgado hoje pelo IMD (escola de negócios Suíça) e que no Brasil é realizado em parceria com o Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da Fundação Dom Cabral, coloca o país na 57ª posição entre os 63 países analisados no relatório de Competitividade Digital. O país caiu duas posições em relação ao ano passado.

Entre os grandes países emergentes, os chamados BRICs, o melhor colocado é a China, que aparece apenas na 30ª posição, seguido da Rússia (40ª), Índia (48ª), África do Sul (49ª). Entre os países latino americanos, o único destaque é o Chile, que fica no 37º lugar.

03

como nascemos

Criação do Pacto Empresarial Brasileiro pela Digitalização Humanizada do Trabalho

Criação do principios de auto-regulamentação

Estabelecimento da governança

Junção dos esforços do Manifesto e do Pacto com atuação em cinco pilares: Infraestrutura, Educação, Empreendedorismo, Governo e Inclusão, sendo este último transversal aos outros quatro.

Finalização pesquisa internacional e inicio pesquisa Brasil


Inicio de pesquisas das iniciativas digitais em 8 países com a FDC

Lançamento do Manifesto durante o IT Forum X

Nov/2017

Lançamento do Manifesto durante o IT Forum X

Dez/2017

Inicio de pesquisas das iniciativas digitais em 8 países com a FDC

Fev/2018

Finalização pesquisa internacional e inicio pesquisa Brasil

Fev/2018

Junção dos esforços do Manifesto e do Pacto com atuação em cinco pilares: Infraestrutura, Educação, Empreendedorismo, Governo e Inclusão, sendo este último transversal aos outros quatro.

Nov/2017

Estabelecimento da governança

Dez/2017

Criação do principios de auto-regulamentação

Fev/2018

Criação do Pacto Empresarial Brasileiro pela Digitalização Humanizada do Trabalho

Tela, complemento Ilustração

04

o que queremos

Criado em 2017, o Movimento Brasil Digital busca promover o diálogo entre os setores público e privado, para construção de propostas que tragam tecnologia e inovação para o centro da estratégia do país. E, com isso, preparar a sociedade para as profissões do futuro de forma humanizada, gerando ocupações qualificadas e garantindo sustentação do crescimento econômico. Em sua contribuição ao movimento, a Fundação Dom Cabral analisou políticas públicas de digitalização em oito países – Alemanha, Austrália, Canadá, Espanha, Índia, México, Reino Unido e Suécia –, além de documentos brasileiros sobre o tema. Foram realizados também dois workshops, com lideranças empresariais, da academia e da administração pública, para discutir propostas para o país a partir de quatro dimensões estruturais: governo, infraestrutura, educação e empreendedorismo.

ler o documento completo

05

proposta

O movimento busca influenciar e promover o diálogo entre os setores público e privado para a construção de propostas que coloquem tecnologia e inovação como prioridade na estratégia do País. Além disso, procura promover a digitalização humanizada, maximizando o aproveitamento das novas ocupações e minimizando o impacto das que desaparecerão.

Infraestrutura

A conectividade rápida, universal e acessível é essencial para a inovação e digitalização da economia. Da mesma forma, uma matriz energética de fontes limpas e renováveis será uma vantagem competitiva para o Brasil.

  • A legislação do setor de telecomunicações precisa passar por uma atualização, pois ainda tem como foco a telefonia fixa.
  • É necessário criar iniciativas para fortalecer a infraestrutura do país, com construção de redes ópticas e disponibilização de espectro para novos serviços móveis.
  • A reformulação do Fundo de Universalização do Serviço de Telecomunicações (Fust) pode incentivar a expansão da banda larga.
  • O Brasil precisa facilitar o licenciamento para instalação de infraestrutura. Regras impostas pelas administrações municipais atrasam investimentos.
  • A revisão das regras para parcerias público-privadas (PPPs) é medida necessária para destravar investimentos.
  • Políticas para áreas específicas, como cidades inteligentes ou mobilidade urbana, servem para nortear investimentos em infraestrutura.
  • Novos mercados, como a internet das coisas, necessitam de um tratamento tributário diferenciado, para que possam se desenvolver.
  • Uma política voltada a uma matriz energética de fontes limpas e renováveis tem condições de se tornar uma vantagem competitiva para o Brasil.

Educação

É necessário preparar as novas gerações para as ocupações futuras, bem como reciclar e incluir digitalmente os profissionais negativamente afetados.

  • A educação deve ser encarada a partir de dois pontos de vistas: formação (ensino base) e capacitação (preparação para o mercado de trabalho).
  • Currículos universitários precisam se aproximar das necessidades do mercado, para garantir que vagas criadas pelas empresas sejam preenchidas.
  • É necessário preparar os professores para o novo mundo digital, bem como equipar as escolas com tecnologias que vão ser demandas pelo mercado.
  • O Brasil precisa reforçar a educação de base nas habilidades Steam (sigla em inglês de ciência, tecnologia, engenharia, arte e matemática).
  • Empresas e governo devem promover o treinamento de profissionais e a educação continuada, para fazer frente às mudanças tecnológicas.
  • Os profissionais precisam estar preparados para trabalhar com robôs, e para treiná-los de acordo com as regras de governança da empresa.
  • É necessário oferecer capacitação para o empreendedorismo. As empresas atuais terão dificuldade de absorver a mão de obra disponível, por mais qualificada que seja.
  • Talvez parte da população não consiga ser treinada para o mercado digital, por falta de fundamentos básicos, tendo necessidade de políticas assistenciais.

Empreendedorismo

Fortalecer o ecossistema de inovação e startups é essencial, assim como incentivar atividades de pesquisa e desenvolvimento e acelerar a digitalização e a capacidade de disrupção das empresas maduras.

  • As empresas brasileiras precisam integrar-se à cadeia produtiva global, participando do ecossistema digital.
  • Também é necessário fortalecer os ecossistemas locais, com interação entre grandes empresas e startups e promoção de interoperabilidade e melhores práticas.
  • Linhas de financiamento à pesquisa, desenvolvimento e inovação e compras governamentais podem alavancar o empreendedorismo.
  • As pequenas empresas merece atenção especial. Elas precisam de apoio para adoção de novas tecnologias e contratação de profissionais qualificados.
  • A inovação depende de fortalecer centros de pesquisa e aproximar setor produtivo e academia.
  • É preciso facilitar a abertura de empresas, reduzir a carga tributária e simplificar a prestação de contas do fisco para melhorar o ambiente de negócios.
  • Ampliar o acesso ao capital é essencial ao empreendedorismo. Medidas nesse sentido incluem o incentivo à organização de grupos de investidores-anjo.
  • O processo de digitalização de setores-chave, como saúde e mercado financeiro, pode ser utilizado para impulsionar o empreendedorismo.

Governo

O país tem necessidade de políticas públicas que apoiem a digitalização de governos e iniciativa privada, de modernizar os ambientes legais e regulatórios e de selecionar e orquestrar ecossistemas em que queremos criar e produzir tecnologia.

  • Iniciativas de governo eletrônico reduzem a burocracia e trazem competitividade para a economia como um todo.
  • A transformação digital do governo vai além da criação de canais eletrônicos de atendimento. A digitalização de processos traz eficiência à administração pública.
  • É necessário integrar sistemas nas esferas federal, estadual e municipal. A ampliação de serviços básicos depende de regras comuns e compartilhamento de informações.
  • A desburocratização deve ser uma meta. A dificuldade de se fazer negócios está entre as principais barreiras à competitividade no Brasil.
  • Políticas públicas necessitam de metas e prazos bem definidos, para que a sociedade possa avaliar seus resultados.
  • Compras públicas promovem a inovação, e podem apoiar o desenvolvimento de mercado para startups e demais empresas de base tecnológica.
  • Políticas públicas precisam de continuidade. É preciso criar mecanismos para evitar que planos elaborados num governo sejam abandonados na gestão seguinte.
  • A definição de políticas setoriais deve levar em conta a vocação do país e objetivos de longo prazo. Como os recursos são escassos, não há como beneficiar a todos.

Inclusão

Mobilizar as lideranças empresariais do Brasil em um movimento humanizador da digitalização do trabalho, engajando toda a sociedade e partes interessadas por meio de um ecossistema colaborativo.

06

Mantenedores
EDP
EY
Fiap
IT Mídia
Korn Ferry
Arcelor
Accenture
Autopass
Cielo
Cisco
Cubo
Embratel
FDC
Globo.com
Gol
GPA
Great Place to Work
Green 4T
Hospital Sirio Libanês
IBM
Intel
Microsoft
Oracle
Petrobras
Sabin
Serasa Experian
Whirlpool
ZUP